Um Educador de Infância é ...

 



 Um Educador de Infância é um educador de sorrisos: é aquele que educa e faz crianças felizes. Que encara as crianças além de simples aprendizes. Ele sabe que as crianças são crianças… e deixa-as ser. Permite-lhes viver! Permite-lhes sorrir!

 Conhece cada rosto, os gestos, a voz, o toque e o olhar. Sabe as gargalhadas e as lágrimas… e o seu coração ainda se aflige quando ouve uma criança chorar. Mas assim que percebe que está tudo bem… pode respirar. É aquele que conhece cada criança pelo falar e para identificar a roupa de cada uma basta cheirar. É de sentidos, conhece cada pequeno coração… e na hora da partida, não esconde a emoção!

 Um Educador de Infância é chamado, pelo menos, 567 vezes para resolver os grandes dilemas que as crianças lhe apresentam diariamente. Diz a investigação que ainda não houve um único problema em sala que um educador não tenha conseguido solucionar, como aqueles sapatos com cordões “impossíveis” de apertar, casacos “impossíveis” de vestir ou botões “impossíveis” de abotoar. Um Educador de Impossíveis. É capaz de transformar cada não em sim, da noite para o dia e sem precisar de fazer magia.

 Sabe que existe um calendário, mas não é isso que o define. A sua ação vai mais além do que os festejos de ocasião. Quando o faz é porque o quer fazer e sabe o porquê de o querer fazer. Acredita que educação não rima só e apenas com celebração.

 É aquele que convive com crianças livres, que pensam e têm opinião. Crianças que participam e integram a gestão. Um Educador promove a participação, procura diariamente o crescimento da criança através da reflexão. Para ele as crianças têm de ser livres, tanto dentro como fora da sala. Quanto à sala… está aberta, porque ele sabe que as crianças não vivem nem aprendem apenas dentro de quatro paredes. A sala é o mundo. Que haja sempre mundo para explorar.

 E por falar em paredes, um Educador de Infância não decora. Por muito que as palavras sejam parecidas, não é um Decorador. As paredes de uma sala devem documentar os processos de desenvolvimento em que as crianças se envolvem. As paredes não podem refletir as competências estéticas de um educador. As paredes de uma sala conversam sobre um grupo, são o espelho do que se faz e documentam a vivência dos dias.

 Um Educador de Infância é pela liberdade das crianças e isso não rima com vinte e cinco pais natais exatamente iguais. Escolher a cor da caneta com que as crianças escrevem o nome não conta como “promoção da autonomia e desenvolvimento da criatividade da criança”.

 Quem fala em pais natais, refere-se a folhas de Outono, a abóboras de halloween, palhaços no carnaval, corações no dia dos namorados, coelhos na Páscoa… quando falei de datas, era também por isto.

 Um Educador de Infância sabe e gosta de ouvir. Mas não é um ouvir camuflado de “boa, vamos fazer um projeto sobre isso”. Não, é um ouvir que faz parte de uma conversa. Nem todas as conversas têm de dar lugar a projetos. Conversar, um educador de infância tem de estar disponível para conversar. Um Educador promove a conversa livre e solta, uma conversa que não tenha como objetivo avaliar a fluência comunicativa ou a articulação verbal de uma criança.  

 É o conversar que vai levar as crianças a confiar. E quando confiam sentem-se seguras. E quando uma criança está segura, apresenta bons níveis de bem-estar. A nossa função também passa por assegurar o bem-estar das crianças, certo?!

 Um Educador é também aquele que observa e tantas vezes fica na retaguarda. Mas é também aquele que integra, que faz parte, o que brinca e permite que o brincar se torne numa arte. É aquele que não precisa de ser chamado pelas crianças para brincar. É o que vai e faz e não fica para trás. Brinca de coração, é isso que lhe faz criar uma ligação e estreitar a relação.

 Um educador promove ambientes de aprendizagem ativa, ricos em oportunidades de exploração, onde as crianças podem ser livres. Ambientes que comunicam com a criança a todo o momento, que as permitem ser, fazer, aprender… viver!

 Um Educador de Infância preocupa-se com todos e com cada um. Ele sabe que a Educação de Infância é um contexto privilegiado de inclusão, vive-se com a diferença lado a lado, em comunhão, desde que chega pela manhã. É pela criança cidadã!

 Um Educador de Infância não trabalha em contextos perfeitos nem procura sê-lo, porque é na imperfeição dos seus dias que tem margem para fazer e ser melhor! 


Um Educador de Infância é aquele que educa pelo cuidado. Porque quem educa está a cuidar e não há educação sem cuidado.

 E quem cuida... ama!


 Sim, um Educador de Infância, além de tudo, faz crianças felizes. 

Que todos os Educadores de Infância façam as crianças felizes! Elas diariamente irão agradecer.

 

Um Educador de Infância,

Fábio Gonçalves

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

PORQUÊ QUE AINDA HÁ CRIANÇAS DE 1, 2 ou 3 ANOS A PINTAR DESENHOS?

Carta aberta de uma criança a um Educador que faz a diferença

Um dia vamos mudar a Educação de Infância...