sábado, 28 de março de 2015

Educadores aborrecidos educam crianças aborrecidas!

Carta aberta de uma criança...aborrecida!





Estou farta…! 


Estou tão farta!


  Estou farta de bonecos de neve. Os bonecos de neve deveriam ser abolidos do Jardim de Infância…e os flocos de neve também. No jardim-de-infância os bonecos de neve deveriam ser construídos se, e só se, nós, crianças, fizéssemos uma visita à Serra da Estrela ou a Montalegre!


    E também estou farta de celebrar a primavera em dias que parecem inverno! Porquê que me mandam celebrar a primavera sem nunca me terem levado a ver a primavera?! A cheirar a primavera… A tocar na primavera… A sentir a primavera! Mas o painel ficou bonito, os pais gostaram! E o coordenador também!


    E estou farta de fazer “flores de primavera”… e coelhinhos da páscoa… e pais natais… e coraçõezinhos… Aliás o problema não está em fazer, porque eu gosto de fazer. Eu até sou uma criança ativa com “boas competências ao nível da motricidade fina”. Mas, estou farta de fazer “trabalhinhos” exatamente iguais aos meus amigos da sala, e aos meus amigos de Lisboa, de Bragança, de Santarém, de Aveiro… Estou farta que não me perguntem como quero fazer… Estou farta que não me deixem pensar!


    Sim, é exatamente isso. Estou farta de reproduzir. Quero pensar e refletir para poder criar! Isto mesmo, quero criar. Eu sei criar. E estou farta que não me deixem.


    Ah, e estou farta de fazer trabalhinhos com materiais “recicláveis”. E acho muito engraçado quando a minha “professora” traz pratos de plástico (novos), palhinhas (novas) ou paus de gelados (novos) e me diz que vamos fazer um trabalho com materiais “reciclados”! Sim, estou mesmo farta de aprender a reciclar e preocupar-me com o ambiente quando, na realidade, sou levada a utilizar cerca de cinquenta folhas por dia… e cartolinas… e papel crepe… e papel vegetal… e papel, papel e mais papel! Quando o que eu gosto mesmo é de escrever na terra e cortar o vento!


    E estou farta que me digas o que vou dar ao meu pai e à minha mãe. Eu só quero e preciso que brinquem comigo! Que me amem. E os meus pais não precisam de mais nada além de mim! Precisam, simplesmente, que seja feliz! Mas aceito que queiras que eu lhes dê uma lembrança, é importante que celebremos as datas mais importantes. Agora ouve-me, por favor, ouve o que tenho para dizer! Sabes que não é por aceitar a lembrança do dia do pai e do dia da mãe que não deixo de estar farta  de celebrar todos os dias do calendário, certo?


    Estou farta de outra coisa. Mas tenho medo de te dizer, não vás querer que eu fique sem o meu tempo preferido no Jardim de Infância: o recreio. Mas estou farta de ficar sentada a ouvir-te sem que me ouças a mim!




    E não sou apenas eu que estou aborrecida! Como eu há muitas outras crianças que estão fartas!



Um Educador de Infância!
Fábio Gonçalves

15 comentários:

  1. Muito bom! Já algum tempo que não lia algo tão prático.
    Escolas/J.i./ Salas com muitos trabalhos expostos são sinónimos de salas em que as crianças não usam a brincadeira como actividade principal...

    ResponderEliminar
  2. É bom ler isto, pensar nisto e praticar isto. Infelizmente, esta é realidade na maioria dos JI... que haja educadores corajosos o suficiente para mudar ISTO!

    ResponderEliminar
  3. Muito bom este texto! Parabéns, excelente. Sinto-me como essa criança, também eu cansada, aborrecida... farta...
    Autoriza-me a partilhar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que a partilha possa contribuir para que haja cada vez menos crianças aborrecidas!
      Grato.

      Eliminar
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  5. É muito gratificante ter colegas de trabalho com os quais nos identificamos profissionalmente, que pensam e que, de facto, trabalham assim! Também é realmente muito bom sermos Educadores numa instituição que nos permite e nos incentiva trabalhar assim. Isso faz toda a diferença, não é?

    ResponderEliminar
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Removi o meu texto porque me repeti sem ter percebido que me tinha respondido.
      Partilhei o seu texto no meu blogue e os comentários têm sido interessantes. Acho que faz sentido alertar educadores para este tipo de práticas mas também os pais.

      Eliminar
  7. Partilho da mesma opinião por vezes também me sinto aborrecida....ou partilhar!!!Obrigada

    ResponderEliminar
  8. Parabéns à "criança" que teve a coragem de de se "revoltar". Muito bom!!!

    ResponderEliminar
  9. Muito, mas mesmo muito bom. Obrigada. Vou partilhar

    ResponderEliminar
  10. Fábio! Por favor vem para Lisboa!!! Colegas que se identificam profissionalmente com esta criança, onde andais? Preciso urgentemente de encontrar na minha escola alguém revoltado como esta criança que fala de dentro do Fábio. Obrigada por este texto. Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Muito Interessante, mas como em tudo na vida, nem tudo ao mar nem tudo à terra. Aliás é por causa de irmos de extremos a extremos que a Educ de Inf caminhou para aqui. Como já sou velhota na carreira...Precisamos sempre de inconformados reflexivos e isso é ainda mais fantástico. O passado não é bom o presente tão pouco caminhemos com arte e mestria no inovar experimentar e amar este oficio como as crianças merecem. Um abraço pedagógico

    ResponderEliminar