Carta aberta de uma criança que regressa: preciso que me ouças!

 


Sou criança. Apenas uma criança. 
Mas uma criança que precisa de ti.  

 Preciso de te ter comigo a cada dia. A cada minuto. A cada segundo. Por isso não estranhes que chame por ti 356 vezes por dia para me ajudares a resolver os meus dilemas existenciais: desde o sapato que se desapertou enquanto tentava montar uma girafa; o pote de tinta que ganhou vida e, naturalmente, se entornou; ou o cabelo que se desprendeu enquanto andava a fugir de um tigre ou de um leopardo… Sei bem que não é fácil dares resposta a todas as minhas solicitações. Mas, pelo menos uma vez por dia, dá-me da tua atenção. Não há nada que me faça mais feliz do que saber que te tenho comigo.

 

Preciso que me dês liberdade. Mesmo que seja dentro de quatro paredes conseguirei, certamente, sentir-me uma criança livre. E não preciso de muito. Em vez de uma folha vinda diretamente da impressora, basta-me, simplesmente, a folha. Em vez de sentar-me a ouvir uma história, basta deitar-me. Para quê uma posição obrigatória? Em vez de fechar os olhos enquanto faço um grande esforço para te ouvir, basta-me dormir. É isso. Preciso de liberdade para poder viver. Num tempo que é meu, dentro de um tempo que também é teu. Preciso que o teu e o meu se transformem num tempo nosso. Tão nosso!

 

Sim. Eu preciso de SER. Preciso que me deixes ser o que sou. Preciso de FAZER. E que me permitas fazer da forma como fizer. Livremente. Preciso de VIVER. Viva eu como viver.

 

E preciso de regras. Preciso que me imponhas regras quando eu não for capaz de as impor a mim próprio. Preciso que, de vez em quando, me digas que os talheres não são na máquina de lavar roupa. Preciso que me digas que a tinta não é para pintar as paredes (da sala!) nem o fogão. Que os livros não são para espalhar pelo chão.

 

Mas também preciso que não me condenes por querer transformar legos em batatas deliciosas. Que opte por passar mais tempo por baixo da mesa do que sentado à mesma. Que prefira corridas de caracóis às corridas de carros. Que prefira brincar com tudo o que não é para brincar do que com a panóplia de brinquedos estruturados para a minha idade, que religiosamente preparam para mim. Prefiro madeira ao plástico. Prefiro a Água. A Terra. O Vento. Prefiro a vida no seu estado mais puro.


Preciso que me ouças. Um dos meus direitos deveria ser: direito a ser ouvido. Mas não  apenas um ouvir somente por ouvir, até  porque, como deves saber, não  falo só por falar. E quando me escutares espero de ti,nada mais nada menos do que juízos justos e reais. Espero de ti, acima de tudo,  sinceridade nos teus julgamentos. Por isso, não tens de usar sempre o “que giro”, o “parabéns” ou o “muito bem” para tudo o que faço. É  que na maioria das vezes olhas para o que faço…mas nem sempre vês. E às vezes faço coisas tão "giras"!

 

Preciso que me deixes criar e usar a minha criatividade. Eu sei que é  giro fazer coisas giras… mas eu preciso de bem mais do que isso. Preciso de ter poder de decisão naquilo que faço e quero fazer. E para giro já basto eu.


Preciso que me desafies constantemente e me leves a dar cada vez mais de mim e, com isso, fazer cada vez melhor. Quero que aprecies as minhas produções e criações e teças comentários adequados. Que me eleves para um patamar que, só  por mim, poderei demorar mais a alcançar. Por isso, preciso de ti. Sempre.

 

Preciso que planifiques as tuas ações comigo. Não apenas naquilo que tu queres, mas também com base no que diariamente te dou e que a ti faço chegar. E eu dou-te tanto. Todos os dias. Para isso basta ouvires-me, mesmo que esteja em silêncio.

 

Preciso que saias da tua zona de conforto. Que esqueças o tradicionalismo. Que inoves. Que faças diferente. Positivamente diferente. Que te adeques ao que eu sou hoje e não ao que fui ontem.

 

Preciso de rotinas. Mas também preciso de fugir das rotinas dentro das rotinas que me dás. Quero que tentes e que erres. E que me deixes tentar para errar. Só assim poderei crescer. Só assim aprenderei a Ser. E é assim que se aprende a viver.

 

Preciso que me deixes correr no asfalto. De gritar no alto de uma montanha. De nadar num imenso mar. E se não pudermos sair para o fazer deixa-me, pelo menos, fazê-lo na minha imaginação. Isso. Deixa-me sonhar. Imaginar. Criar em pensamento.

  

Preciso que percebas que não é uma bata que vai fazer com que seja igual. Não. Igualdade não  é isso. Podemos falar de igualdade, sim… podemos. Mas falemos também de um direito à  diferença. Uma diferença que enriquece naturalmente a vida de cada um. Eu preciso de viver com a diferença.  Melhor… eu preciso de viver na diferença. O problema não está  no uso da bata… não. O problema está  nos pressupostos que muitas vezes sustentam inadequadamente a sua utilização. Para não  me sujar? Aceito – mais ou menos, mas aceito. Para ser igual? Não, obrigado. 


Preciso que me dês tempo. E tu até me dás tempo. Tempo para isto. Tempo para aquilo. Mas, se há crianças que conseguem estar sempre em atividade, eu preciso de tempo para não fazer nada. Tempo para ter tempo de parar. Isso mesmo, por vezes preciso de não ter nada para fazer. Às vezes é tão bom não fazer nada. E quando me vires sem fazer nada, acredita que estarei a fazer muito.

 

Preciso que continues a dizer-me “não” com firmeza e “sim” com certeza, como tão bem o fazes.


Preciso que tenhas confiança em ti e que a demonstres no tempo que passas comigo. Nunca te esqueças que tudo o que fizeres, para mim, é bem feito. Por isso supera-te a cada dia. Dá o melhor de ti. Para mim, mas por ti.


Independentemente de tudo, preciso de ti. Preciso tanto de ti. Tal como tu precisas de mim. E eu sei que mesmo espalhando os brinquedos pela casinha, mesmo que diga sim quando dizes não, mesmo que te faça levar as mãos à cabeça quando vês o estado em que a sala ficou depois das minhas experiências mirabolantes com água, tinta, terra e tanto mais... mesmo que chegues a casa e tenhas de continuar a trabalhar para mim (e para nós!) durante horas… eu sei que te faço  feliz. 

 

E por mais que faça, por mais que diga… sei que te faço feliz todos os dias.

Porque sou uma criança, entre tantas outras que tu tão bem sabes amar!



E foram estas crianças que resolveste amar e abraçar todos os dias da tua vida.

São elas que nunca irão desistir de ti... e te farão sorrir... mesmo em dias em que só te apeteça chorar.


Eu sei que as vais fazer felizes.

E sabes porquê?


Porque, na verdade, são elas que te vão fazer feliz a ti!

 

 

Um Educador de Infância,

Fábio Gonçalves

Comentários

  1. É belo pela sensibilidade, pela pureza, pela assertividade em cada palavra e pela exigência tão doce que passa pelas nossas mãos diariamente... Parabéns Fábio! És admirável

    ResponderEliminar
  2. Com rara sensibilidade foi dito tudo o que devíamos intuir. Fiquei encantada e até comovida

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

PORQUÊ QUE AINDA HÁ CRIANÇAS DE 1, 2 ou 3 ANOS A PINTAR DESENHOS?

Carta aberta de uma criança a um Educador que faz a diferença

Um dia vamos mudar a Educação de Infância...